safras

COMBUSTIVEIS: IBP volta a defender ICMS monofásico

13 de maio de 2022
Compartilhe

Porto Alegre, 13 de maio de 2022 – Em nota, o Instituto Brasileiro de
Petróleo (IBP) apoia a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) protocolada
pela Advocacia-Geral da União (AGU) em 12 de maio de 2022 referente ao
Convênio ICMS 16/2022, que regula a Lei 192/2022.

Em março deste ano, foi publicada a Lei Complementar n 192/2022, que
definiu os combustíveis sobre os quais o ICMS incidirá uma única vez, com
alíquota fixa por produto em Reais/litro, estabelecendo uma carga tributária
uniforme em todos os Estados e no Distrito Federal, conforme prevê a
Constituição Federal.

Continua a nota: A introdução do ICMS Monofásico em toda a cadeia de
combustíveis e biocombustíveis sob exatas premissas fixadas na Constituição
e na Lei Complementar é o caminho estruturante para recuperar a isonomia entre
os contribuintes, simplificar o procedimento, reduzir o espaço para a
sonegação e ampliar a capacidade arrecadatória dos Estados, além de
desonerar o consumidor, reduzindo as ineficiências vigentes.

Para regulamentar a Lei, o Conselho Nacional de Política Fazendária
(CONFAZ) editou o Convênio ICMS 16/2022 unicamente para o diesel. Porém, ao
estabelecer cargas tributárias distintas entre os Estados, não observou o
preceito constitucional de alíquotas uniformes em nível nacional, o que
mantêm a necessidade de recolhimento complementar nas frequentes operações
interestaduais, pois, a grande maioria dos entes federativos não é totalmente
suprida pela produção realizada no próprio estado.

Ao desfigurar a cobrança monofásica, o Convênio sinaliza a manutenção
da atual complexidade tributária, que estimula o mercado ilegal, e do
desequilíbrio concorrencial no segmento, que afugenta investimentos.

A ADI é uma medida legítima para arguir a inconstitucionalidade presente em
alguns artigos do Convênio, que afrontam o disposto na Lei 192/22 e na
Constituição Federal. Por esta razão, o IBP também ingressará como amicus
curiae na ação.

O IBP reafirma que a simplificação tributária trará segurança jurídica
aos agentes do segmento, redução da sonegação e transparência para a
sociedade, condições fundamentais para a promoção de um ambiente de
negócios mais atrativo aos investimentos necessários à garantia do
abastecimento nacional.

As informações partem da assessoria de imprensa do IBP.

Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2022 – Grupo CMA

Cotação semanal

Dados referentes a semana 20/05/2022

Suíno Independente kg vivo

R$ 5,43

Farelo de soja à vista tonelada

R$ 2.555,00

Casquinha de soja à vista tonelada

R$ 1.167,50

Milho Saca

R$ 89,33
Ver anteriores

Preço base - Integração

Atualizado em: 20/05/2022 13:15

AURORA* base suíno gordo

R$ 5,10

AURORA* base suíno leitão

R$ 5,20

Cooperativa Languiru

R$ 5,20

Cooperativa Majestade*

R$ 5,10

Dália Alimentos

R$ 5,20

Alibem - base creche e term.

R$ 4,10

Alibem - base suíno leitão

R$ 5,20

BRF

R$ 5,30

Estrela Alimentos - creche e term.

R$ 4,10

Estrela Alimentos - base leitão

R$ 5,15

JBS

R$ 5,30

Pamplona* base term.

R$ 5,10

Pamplona* base suíno leitão

R$ 5,20
* mais bonificação de carcaça Ver anteriores

Parceiros da Suinocultura Gaúcha

Parceria