Suinocultura

ACSURS distribui material educativo que orienta sobre cuidados com a PSA

14 de janeiro de 2022
Compartilhe

Com o objetivo de evitar a Peste Suina Africana (PSA), a Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul – ACSURS começou a distribuição do material de combate à PSA, desenvolvido e fornecido pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa), aos suinocultores.

Com informações para evitar a entrada da PSA nas propriedades onde há produção de suínos, o material traz diversas informações de prevenção à doença. Entre elas, a atenção especial na entrada de visitantes nas granjas e também de animais silvestres, principalmente javalis, que podem ser transmissores da doença.
Produzido no tamanho em policloreto de vinila (PVC) e no tamanho 60cmx42cm, o que facilita a visualização das informações e dificulta a deterioração, aconselha-se que o material seja colocado na entrada das granjas.

Sobre a PSA
A Peste Suína Africana (PSA) é uma doença hemorrágica de suínos, exótica e de notificação obrigatória. Por ser uma doença exótica e que pode se assemelhar clinicamente a outras, inclusive à Peste Suína Clássica (PSC), o diagnóstico laboratorial deve ser realizado em laboratórios oficiais do Mapa.

O período de incubação do vírus da PSA é de quatro a 19 dias e a doença pode ser apresentar nas formas aguda, subaguda e crônica em suínos de todas as faixas etárias. Os sinais da forma aguda são inapetência, febre, leucopenia, petéquias e hemorragias na pele (orelhas, flancos) e elevada mortalidade.
Ajude o Brasil a se manter livre da PSA

Orientações aos cidadãos em geral:
-Não trazer produtos de origem animal de viagens ao exterior. Eles podem trazer não somente a PSA, mas outras enfermidades que acometem rebanhos ou mesmo a saúde humana.
-Não trazer produtos de caça, especialmente suídeos asselvajados (javalis, catetos etc) e não caçar em países acometidos pela PSA.

Orientações ao produtor:
-Evitar visitas à granja e monitorar todos os visitantes cumprindo todos os protocolos de sanidade.
-Reportar às autoridades sanitárias quaisquer alterações consideradas importantes nos animais como doenças hemorrágicas, mortes suspeitas.
-Atenção à alimentação dos animais evitando que comam restos de alimentação humana, especialmente se contiver carne suína.
-Combater o transporte ilegal de animais, sempre sujeito a riscos sanitários.
-Seguir as leis, normas e recomendações de biosseguridade e investir nessa área a fim de manter as instalações seguras.

Contato
Em caso de qualquer suspeita ou alteração de mortalidade no rebanho, contate a inspetoria veterinária ou envio mensagem pelo Celular/WhatsApp (51) 98445-2033.

 

Orientação é de que material educativo seja afixado na entrada das granjas.

Fonte: ACSURS | Texto de Bruna Gomes Stahl, Assistente de Comunicação.

Cotação semanal

Dados referentes a semana 21/01/2022

Suíno Independente kg vivo

R$ 5,34

Farelo de soja à vista tonelada

R$ 2.690,00

Casquinha de soja à vista tonelada

R$ 1.550,00

Milho Saca

R$ 99,00
Ver anteriores

Preço base - Integração

Atualizado em: 21/01/2022 14:47

AURORA* base suíno gordo

R$ 5,40

AURORA* base suíno leitão

R$ 5,50

Cooperativa Languiru

R$ 5,70

Cooperativa Majestade*

R$ 5,40

Dália Alimentos

R$ 5,90

Alibem - base creche e term.

R$ 4,40

Alibem - base suíno leitão

R$ 5,45

BRF

R$ 5,50

Estrela Alimentos - creche e term.

R$ 4,60

Estrela Alimentos - base leitão

R$ 5,45

JBS

R$ 5,30

Pamplona* base term.

R$ 5,40

Pamplona* base suíno leitão

R$ 5,50
* mais bonificação de carcaça Ver anteriores

Parceiros da Suinocultura Gaúcha

Parceria