safras

CARNES: Super valorização dos grãos ameaça indústria e criadores em SC

16 de junho de 2021
Compartilhe

Porto Alegre, 16 de junho de 2021 – A alta sem precedente no preço dos
grãos cria uma séria ameaça à expansão e mesmo manutenção da avicultura
industrial no Sul do Brasil. Os preços atingidos pelo milho e farejo de soja
– principais insumos da nutrição animal – no mercado criam dificuldades
para as agroindústrias e também para os criadores de aves, suínos e bovinos
de leite.

A situação preocupa o SINDICARNE (Sindicato das Indústrias de Carnes e
Derivados no Estado de Santa Catarina), a AINCADESC (Associação das
Indústrias de Carnes e Derivados do Estado de Santa Catarina) e a ACAV
(Associação Catarinense de Avicultura).

Além da brutal elevação dos preços dos insumos, também ocorre o
encarecimento dos materiais de construção para expansão da atividade, ou
seja, a construção de novos e modernos criatórios de aves dentro das mais
avançadas técnicas de criação, manejo e sanidade, silos e armazéns.

Em face das condições do mercado global de grãos, os dirigentes não
acreditam que os preços possam recuar. Isso representará aumento dos custos de
produção na indústria avícola e, por consequência, elevação do preço
final das carnes de aves para o consumidor.

Nesse momento, a prioridade é desburocratizar e desonerar a importação
de milho para que o mercado interno não fique desabastecido desse insumo e
evite a redução da produção de aves e suínos. Isso significa, também,
retirar temporariamente os tributos incidentes sobre a importação (Pis e
Cofins). Simultaneamente, é necessário criar novos incentivos para o produtor
de milho, com linha de crédito atrativa ao pequeno produtor, redução dos
encargos do programa de crédito rural e outros benefícios.

Por outro lado, investimentos em novos armazéns e credenciamento de mais
armazéns junto à Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) são medidas que
permitirão, com mais facilidade, a disponibilização de grãos aos pequenos
produtores.

As entidades já levaram a preocupação ao Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento (Mapa) e se reuniram com a ministra Tereza Cristina.
Governo e indústria avícola implementarão medidas para equacionar as
distorções que afetam, nesse estágio, o mercado do milho no Brasil. Com
informações da assessoria de imprensa do SINDICARNE.

Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA

Cotação semanal

Dados referentes a semana 30/07/2021

Suíno Independente kg vivo

R$ 6,79

Farelo de soja à vista tonelada

R$ 2.333,30

Casquinha de soja à vista tonelada

R$ 1.575,00

Milho Saca

R$ 97,33
Ver anteriores

Preço base - Integração

Atualizado em: 04/08/2021 14:00

AURORA* base suíno gordo

R$ 5,90

AURORA* base suíno leitão

R$ 6,00

Cooperativa Languiru

R$ 5,70

Cooperativa Majestade*

R$ 5,70

Dália alimentos

R$ 5,60

Alibem - base creche e terminação

R$ 4,90

Alibem - base suíno leitão

R$ 5,70

BRF

R$ 5,70

Estrela Alimentos - creche e terminação

R$ 4,80

Estrela Alimentos - leitão

R$ 5,85

JBS

R$ 5,60

Pamplona* base terminação

R$ 5,90

Pamplona* base suíno leitão

R$ 6,00
* mais bonificação de carcaça Ver anteriores

Parceiros da Suinocultura Gaúcha

Parceria